Chega de gastar dinheiro com impressoras fiscais caríssimas! Emita seus cupons fiscais de forma rápida e eficiente, de forma totalmente eletrônica.

Nota fiscal do consumidor eletrônica:

Principais funcionalidades:


  • Envio automático da NFC-e
  • Consulta estoque na tela
  • Vizualiza DANFE NFC-e na tela
  • Cadastro de clientes
  • Envio de e-mail a consumidor
  • Impressão do QR Code
  • Envio mensal dos arquivos (xml's e pfd's) para sua contabilidade
  • Relatório diário do fluxo de caixa

Video de demonstração:

Sistema de apoio ao emissor do NFC-e

Principais funcionalidades:


  • Controle de usuário
  • Controle de estoque / inventário
  • Cadastro de Clientes, fornecedores
  • Lançamento de NFe de compra manual ou automática (importando o xml)
  • Pedidos de Venda
  • Comissão parametrizada para vendedores
  • Orçamentos
  • Relatórios Gerenciais de compra e venda
  • Impressão de etiquetas
  • Controle financeiro, contas a pagar e a receber
  • Fluxo de Caixa
  • Integração com nossos outros sistemas, consulte-nos!

Retaguarda

Saiba mais:

A Nota Fiscal do Consumidor Eletrônica propõe uma verdadeira revolução no Varejo Brasileiro, muito similar a versão 2.0 da NF-e. Preparar-se para todas as mudanças é fundamental.

O Projeto NFC-e, visa ser uma alternativa totalmente eletrônica para os atuais documentos fiscais em papel utilizados no varejo (cupom fiscal emitido por ECF e nota fiscal modelo 2 venda à consumidor), reduzindo custos de obrigações acessórias aos contribuintes, ao mesmo tempo que possibilita o aprimoramento do controle fiscal pelas Administrações Tributárias. Com a NFC-e, também o consumidor é beneficiado, ao possibilitar a conferência da validade e autenticidade do documento fiscal recebido. Neste sentido, propõe o estabelecimento de um padrão nacional de documento fiscal eletrônico, baseado nos padrões técnicos de sucesso da Nota Fiscal Eletrônica modelo 55, todavia adequado às particularidades do varejo.

Solicite agora um orçamento!

Nosso sistema está homologado para todas as SEFAZ, confira abaixo a sua obrigarietoriedade:


Acre:
O Decreto nº 6.596 de 08/11/2013 acrescentado do RICMS-AC
A partir de 1º de outubro 2013 - Fica facultado ao contribuinte não obrigado a emissão da NFC-e (§ 1º do Art.13-A);
A partir de 1º de junho de 2014 - Para contribuintes relacionados no Anexo Único do Decreto;
A partir de 1º de setembro de 2014 - Para contribuintes em início de atividades;
A partir de 1º de dezembro de 2014 - Para os demais contribuintes, exceto os optantes pelo Simples Nacional.
A partir de 1º de abril de 2015 - Para todos os contribuintes inclusive os optantes pelo Simples Nacional.​

Amazonas:
O Decreto nº 34.459/2014 e a Resolução GSEFAZ. nº 0022/2013
A partir de 1º de fevereiro de 2014, para os contribuintes localizados na Capital que, obrigados ao uso de equipamento Emissor de Cupom Fiscal – ECF, nos termos da legislação, não tenham solicitado ou iniciado o uso de nenhum equipamento até essa data.
A partir de 1º de março de 2014 - Contribuintes relacionados no Anexo Único da Resolução
A partir de 1º de março de 2014 - Contribuintes em início de atividade, localizados em Manaus
A partir de 1º de setembro de 2014 - Demais contribuintes de Manaus, exceto Simples Nacional.
A partir de 1º de janeiro de 2015 - Contribuintes do Simples Nacional e do Interior do Estado

Bahia:
Decreto nº 13.780/12
Adesão voluntária mediante cadastramento na SEFAZ Bahia (vide Portal NFCe )

Distrito federal:
A Portaria SEF N°234 de 23/10/2014 :
A partir de 1º de janeiro de 2016 - Para os contribuintes em início de atividades ou de apuração normal.
A partir de 1º de julho de 2016 - Contribuintes optantes pelo Smples Nacional com faturamento anual superior a R$1.800.000
A partir de 1º de janeiro de 2017 - Contribuintes optantes pelo Simples Nacional com faturamento superior a R$360.000
A partir de 1º de julho 2017 - Demais contribuintes não enquadrados nas demais datas

Mato Grosso:
Art. 198-G-1, § 2º, inciso V do RICMS e Portaria nº 077/2013 - SEFAZ-MT
A partir de 1° de agosto de 2016, todos os contribuintes, exceto MEI e com faturamento inferior a R$120.000 ou inferior a R$10.000 mensais
Facultativo o uso de ECF em alternativa a NFC-e para todos os contribuintes no período entre 18 de fevereiro de 2015 até 31 de julho de 2016 para os contribuintes p articipantes do Projeto Piloto da NFCe, estabelecimentos que já fizeram a adesão voluntária e estabelecimentos com faturamento superior a R$ 2.520.000,00 em 2013.
A partir de 1° de julho de 2019, fica vedado o uso de ECF concedito entre 17 de fevereiro de 2015 e 1° de agosto de 2015.

Pará:
Instrução normativa n°28 do Pará publicado no DOE de 30 de dezembro de 2014.
01 de junho de 2015 para estabelecimentos vinculados à Coordenação Executiva Especial de Administração Tributária de Grandes Contribuintes, que efetuarem venda ou fornecimento de mercadorias à pessoa natural ou jurídica não contribuinte ao ICMS
01 de dezembro de 2015, para os estabelecimentos obrigados à EFD que efeturam venda ou fornecimento à pessoa jurídica ou natural não contribuínte do ICMS
01 de junho de 2016 para os demais estabelecimentos

Paraíba:
GSER nº 283 de 11/12/2012 publicada no DOE em 12/12/2014 . Projeto Piloto da NFC-e de 01 de agosto de 2014 até 31 de maio de 2015.
Período experimental para emissão: intervalo entre 1º de julho e 30 de setembro de 2014.
​A partir de 1 de outubro de 2014, outras empresas poderão aderir facultativamente, a critério da Secretaria de Estado da Receita.
A partir de 1º de julho de 2015, ficarão obrigados a emitir NFC-e os estabelecimentos varejistas com faturamento superior a R$ 25.000.000,00 (vinte e cinco milhões de reais) no exercício de 2013 , caso se enquadrem nas disposições do art. 338 (obrigatoriedade ECF) do Regulamento do ICMS-PB.
A partir de 1º de janeiro de 2016 os estabelecimentos varejistas com faturamento superior a R$ 9.000.000,00 (nove milhões de reais) no exercício de 2013 .
A partir de 1º de julho de 2016 os estabelecimentos varejistas com faturamento superior a R$ 5.500.000,00 (cinco milhões e quinhentos mil reais) no exercício de 2014 .
A partir de 1º de janeiro de 2017 os estabelecimentos varejistas com faturamento superior a R$ 3.600.000,00 (três milhões e seiscentos mil reais) no exercício de 2014 .
A partir de 1º de julho de 2017 os demais estabelecimentos varejistas enquadrados no art. 338 (obrigatoriedade ECF) do Regulamento do ICMS-PB.

Paraná:
Decreto Nº 12.231 publicado no DOE em 25/09/2014
Aberta adesão voluntária de empresas desde 01/12/2014

Rio de Janeiro:
Resolução SEFAZ N°759 de 03 de julho de 2014
01 de outubro de 2014, para empresas em caráter voluntário ou obrigadas a usar ECF que não tenham solicitado anteriormente
01 de julho de 2015, para empresas que apuram o ICMS por confronto entre débitos e créditos ou que solicitarem inscrição estadual
01 de janeiro de 2016, para empresas do Simples Nacional com receita em 2014 superior a R$360.000,00
01 de janeiro de 2017, para todos os demais contribuintes

Rio Grande do Sul:
Decreto nº 51.245 de 06/03/2014
A partir de 1º de setembro de 2014 - Contribuintes enquadrados na modalidade geral que promovam operações de comércio atacadista e varejo ( ATACAREJO).
A partir de 1º de novembro de 2014 - Contribuinte com faturamento superior a R$ 10.800.000,00
A partir de 1º de junho de 2015 - Contribuinte com faturamento superior a R$ 7.200.000,00
A partir de 1º de janeiro de 2016 - Contribuinte com faturamento superior a R$ 3.600.000,00 e estabelecimento que iniciarem suas atividades a partir de 1º de janeiro de 2016.
A partir de 1º de julho de 2016 - Contribuinte com faturamento superior a R$ 1.800.000,00.
A partir de 1º de janeiro de 2017 - Contribuinte com faturamento superior a R$ 360.000,00.
A partir de 1º de janeiro de 2018 - Todos os contribuintes que promovam operações de comércio varejista

Rondônia:
Instrução Normativa nº 003/2014/GAB/CRE publicado no DOE nº 2490, de 03.07.14
Aberta adesão voluntária, desde 01 de agosto de 2014.
A partir de 1º de março de 2015, receita bruta igual ou superior a R$ 12.000.000,00
A partir de 1º de agosto de 2015, receita bruta igual ou superior a R$ 6.000.000,00 e para contribuintes em início de atividade, exceto optantes pelo Simples nNcional.
A partir de 1º de janeiro de 2016, todos os demais contribuintes, exceto optantes pelo Simples Nacional
A partir de 01 de julho de 2016, todos os demais contribuintes, inclusive optantes pelo Simples nacional

São Paulo:
Disponível detalhes da legislação no Portal do SAT na SEFAZ São Paulo .
Em substituição ao ECF para todos os novos estabelecimentos inscritos no Cadastro de Contribuintes do ICMS a partir de 01-07-2015 A partir de 01-07-2015: não será concedida nova autorização de uso de ECF, exceto quando se tratar de ECF transferido de outro estabelecimento paulista pertencente ao mesmo contribuinte ou tratando-se de estabelecimento paulista pertencente a empresa resultante de incorporação, fusão ou cisão.
O equipamento ECF que complete 5 anos ou mais da data da primeira lacração (indicada no Atestado de Intervenção) deverá ter seu uso cessado e substituído por NFCe ou SAT;
Em substituição à Nota Fiscal de Venda a Consumidor, modelo 2, a partir de 01-01-2016, para os contribuintes que auferirem receita bruta maior ou igual a R$ 100.000,00 no ano de 2015;
Em substituição à Nota Fiscal de Venda a Consumidor, modelo 2 a partir de 01-01-2017, para os contribuintes que auferirem receita bruta maior ou igual a R$ 80.000,00 no ano de 2016;
Em substituição à Nota Fiscal de Venda a Consumidor, modelo 2 a partir de 01-01-2018, para os contribuintes que auferirem receita bruta maior ou igual a R$ 60.000,00 no ano de 2017;
Em substituição à Nota Fiscal de Venda a Consumidor, modelo 2, decorrido o prazo indicado no item anterior, a partir do primeiro dia do ano subsequente àquele em que o contribuinte auferir receita bruta superior a R$ 60.000,00.
Para os estabelecimentos cuja atividade econômica esteja classificada no código 4731-8/00 (comércio varejista de combustíveis para veículos automotores) da CNAE, a partir de 01-07-2015, em substituição ao Cupom Fiscal emitido por equipamento Emissor de Cupom Fiscal - ECF e a partir de 01-01-2016, em substituição à Nota Fiscal de Venda a Consumidor, modelo 2.

Sergipe:
Portaria SEFAZ Nº 312 de 15/05/2014 , publicada no DOU de 19/05/2014, Art. 2º.
A partir de 1º de novembro de 2014, conforme lista em Anexo Único.
A partir de 1º de março 2015, com faturamento superior a R$ 10.000.000,00;
A partir de 1º de julho de 2015, com faturamento superior a R$ 5.000.000,00;
A partir de 1º de novembro de 2015, com faturamento superior a R$ 1.800.000,00;
A partir de 1º de março de 2016, com faturamento superior a R$ 360.000,00 ou em início de atividade;
A partir de 1º de julho de 2016, todos aqueles que promovam operações de comércio varejista.

(321) 436-8358 um orçamento!